post

Enxaqueca e os Olhos

Principais Conexões entre a Enxaqueca e os Olhos

olho Enxaqueca e os Olhos

A enxaqueca tem múltiplas e intrigantes relações com os olhos

1. A dor da enxaqueca pode, em alguns casos, se manifestar, exclusivamente ou não, na região de um ou ambos os olhos (tanto nos olhos propriamente, quanto acima, abaixo e em torno deles). Essa dor pode ser latejante e/ou em peso ou pressão, e sua intensidade pode variar de muito leve a muito forte, incapacitante.

2. Crises de enxaqueca podem ser desencadeadas por luzes fortes fortes ou intermitentes. Fixar a visão por muito tempo (e às vezes por nem tanto tempo assim…) numa tela de computador, televisão, cinema, livro, iPad e similares, também pode desencadear crises de enxaqueca.

3. Uma crise de choro pode desencadear uma crise de enxaqueca.

4. Algumas pessoas, horas antes de uma crise de enxaqueca, podem apresentar coceira nos olhos, lacrimejamento e até uma sensação de cisco (argueiro) em um ou ambos os olhos.

5. A maioria das pessoas que sofrem de enxaqueca apresentam aversão à claridade durante as crises, e até mesmo fora delas.

6. Uma parcela (10 a 15%) dos enxaquecosos pode apresentar a chamada aura de enxaqueca, que compreende alterações visuais como embaçamento e escurecimento parcial da visão, aparecimento de pontos de luz que piscam no campo visual, visão de formas em zigue-zague tremeluzentes. A aura de enxaqueca costuma ocorrer logo antes (15 a 60 minutos antes) de uma crise de dor de cabeça, mas pode ocorrer também no meio da crise, no final, ou vir totalmente desacompanhada de dor de cabeça. Antigamente, dava-se o nome de enxaqueca oftálmica ou enxaqueca retineana às enxaquecas acompanhadas de algumas dessas auras visuais. Para ler mais a respeito de aura de enxaqueca, clique aqui.

palpbr Enxaqueca e os Olhos

Ptose palpebral

7. Numa parcela bem pequena dos portadores de enxaqueca, a pálpebra superior de um dos olhos (do mesmo lado da dor) pode cair parcialmente. Esse fenômeno recebe o nome de ptose palpebral e ocorre durante a crise de dor. Terminada a crise, a pálpebra volta ao normal. Antigamente, a esta forma de enxaqueca era dado o nome de enxaqueca oftalmoplégica.

8. Inchaço ao redor dos olhos pode ocorrer durante a crise de enxaqueca, e pode permanecer por horas e até dias após. Indivíduos com crises muito frequentes podem viver com a cara inchada constantemente!

Atenção: Os fenômenos acima podem também ocorrer em uma série de outros distúrbios de ordem neurológica, graves, como por exemplo derrames cerebrais, glaucoma, câncer e aneurismas. O que nos leva a relembrar a todos vocês um aviso muito importante: JAMAIS tentem se autodiagnosticar em função do que lêem ou vêem. Deixem isto para um médico de sua confiança!

Muitas pessoas me perguntam se existe relação entre a enxaqueca e o fato de suas pálpebras ficarem, por vezes, “pulando” ou “tremendo” (pequenos e rápidos tremores localizados de grupos de fibras musculares, conhecidos como fasciculações). A resposta é não. Não existe relação entre enxaqueca e fasciculações da pálpebra. Apresentar ambos é mera coincidência. A imensa maioria dessas fasciculações é benigna e sua causa não foi até hoje completamente esclarecida pela ciência. Mas fasciculações também podem ser sintomas de doenças neurológicas graves, como esclerose múltipla e esclerose lateral amiotrófica. Cabe a seu médico elucidar e diagnosticar.

Por Que?

“Por que minha enxaqueca dói nos meus olhos?” “Por que minha enxaqueca é desencadeada por ficar olhando por muito tempo para a tela?” “Por que minha enxaqueca ocorre quando eu choro?” “Por que eu tenho uma sensação de cisco ou coceira no olho antes de uma crise de enxaqueca?” “Por que eu tenho aversão à claridade durante, e até fora de uma crise de enxaqueca?” “Por que minha vista escurece? Por que eu tenho aura de enxaqueca?” “Por que minha pálpebra cai durante minha crise de enxaqueca?” “Por que eu incho ao redor dos olhos quando eu tenho enxaqueca?” “Qual a explicação científica para tudo isso?”

A resposta é ao mesmo tempo simples e complexa. Em resumo, tudo isso ocorre justamente porque você tem enxaqueca. A causa da enxaqueca é um desequilíbrio, uma desarmonia, entre diversas substâncias, neurotransmissores, hormônios e neurohormônios. Esse desequilíbrio pode se manifestar através dos muitos possíveis sintomas da enxaqueca, dependendo de fatores e predisposições individuais.

Sim, mas e a natureza desse desequilibrio? Bem, essa resposta é tão complexa que daria um livro, e é justamente este livro que eu escrevi para você! Clique aqui para saber mais.

E para você que já leu, não deixe de visitar a página do livro no Facebook (facebook.com/enxaqueca.livro) e, uma vez naquela página, clicar em Curtir (isso ajuda enormemente a divulgar sua existência para quem precisa).

Comentários dos Meus Leitores

  1. Nivaldo Bonasio comentou

    Excelente artigo Dr. Alexandre. Seus posts sobre enxaqueca são muito esclarecedores e nós que precisamos cada vez mais de esclarecimentos sobre o assunto, só temos a agradecer.

  2. comentou

    É impressionante como a enxaqueca influencia tudo na nossa vida, até mesmo nossa maneira de ser. Quanto mais conheço a doença, mais percebo que muitas coisas que achava que eram “minhas”, na realidade são da enxaqueca. Desde pequena sempre fui sensível a luz forte e claridade – dirigir sem óculos escuros não dá, meus olhos lacrimejam! Uma vez tive enxaqueca porque insisti em dirigir sem óculos escuros e a luz do sol batia na pista e fazia aquele clarão (bom, pra mim era um clarão, hehe). Já chorei até ter dor de cabeça. E desde criança enxergo traços tremeluzentes em zigue-zague (eu pensava que era alguma sujeira nos olhos, haha), na maioria das vezes sem dor de cabeça. Acreditei muitos anos ter sinusite, somente aos 2o e poucos é que descobri o que tinha realmente.

  3. Débora Reis comentou

    Tenho enxaqueca com aura e quase todos os dias sofro dor dores de cabeça fortes.Nas crises de enxaqueca tenho uma dor insuportável no olho direito, aliás o lado dói na enxaqueca.Essa dor parece ser lá atras, no fundo do olho….dá até vontade de enfiar os dedos e retirar o olho fora !……Por isso gostei muito desse artigo e me identifiquei bastante com ele.Obrigada Dr Feldman por maia essa informação bastante pertinente !

  4. Maria Christina comentou

    Não sei se é uma tendência ou capricho da doença, mas passados 13 anos do diagnóstico defino minha enxaqueca como um vírus em constante mutação – apesar da minha disciplina em relação aos tratamentos a que já me submeti, Ela sempre encontra um meio de me tornar cativa ao me deixar incapacitada por até 72 horas.
    Através do artigo descubro chocada que os episódios neurológicos que surgiram no decorrer das crises, de uns tempos para cá, atende pelo nome de aura o que muito me surpreendeu pois sempre li que ela antecedia as crises.
    Acho que o seu aparecimento nesse altura do campeonato não é um bom indicador, mas isso só saberei depois de passar pelo consultório do Dr. Alexandre.

  5. maria elvina teixeira silva comentou

    dr alexandre a minha enaqueca e associada a tudo que vc imaginar aos olhos a ansiedade a alimentaçao a colirios falto e enlouquecer de tantas dores .

  6. Nádia Panaino comentou

    É um problema dirigir, pois a claridade incomoda. O pior é que se coloco óculos escuros, a pressão dos óculos na cabeça também faz desencadear a crise. Portanto, “se correr o bicho pega, se ficar o bicho come”, e com isso, não sei o que fazer. Não consigo nem colocar arco no cabelo. Prender o cabelo no verão, só por algumas horas, e já começa a me incomodar. Por isso, optei por lentes de contato para correção visual. Mas isso também é um problema, pois se fico muito tempo com a lente, a crise também começa. E com esse artigo, pude entender o porquê. Muito obrigada, dr. Alexandre!

  7. Patricia comentou

    Dr. Feldman,
    esta explicação é completa. Ainda digo, começa no olho, dá aquela sensação de que o olho está queimando, depois na altura da sobrancelha, a pálpebra fica caída (quem conhece sabe o que está se passando), depois a dor parece atingir a parte óssea do lado que a enxaqueca está afetando. Não acho aversão a claridade, mas a penumbra, ficar a meia luz é pior.
    Isto dura em média 72h, posso dormir que acordo no dia seguinte com a mesma dor.
    Muitas vezes, só uma injeção faz a dor passar por algum tempo, é o tempo para poder relaxar e dormir ou não durmo de modo algum com dor.
    É interessante sempre lermos, estarmos informados(as), pois isto é uma realidade que só quem tem sabe para dividir com um grande estudioso.
    Obrigada.

  8. flávia comentou

    Por favor Dr Alexandre escreva mais sobre a Aura, aura sem dor, aumento das crises só com aura. Nao acho material relacionado na internet.
    obrigada, espero

  9. Bruna comentou

    É possível ter pontos brilhosos cintilantes o tempo todo e alguns momentos de dor durante o dia, que vão e voltam? Isso é considerado aura? Grata

  10. Anon comentou

    Achei esse site e achei muitíssimo interessante. Tenho enxaqueca desde meus 12 anos de idade(hoje tenho quase 16) e vi como muitos sintomas que eu tinha muito se assemelham com o que você publica aqui. Já cheguei a ficar desesperado, achando que era algo grave.
    Enfim, eu já tive várias enxaquecas com aura, mas não são tão frequentes.
    Essa dor de cabeça latejante no lado esquerdo da minha cabeça realmente me incapacita! Mas fico feliz em saber que não estou sozinho e que tem solução.

  11. Gabriel Moraes comentou

    Muito boa a matéria !
    Tive uma ontem, tive DORMÊNCIA na mão esquerda e na boca !
    Tomei um Biprofenid e dormi !

    Alguém tem ou já teve dormência ?

    • Lourdes Miranda comentou

      OI GABRIEL EU TENHO DORMÊNCIA NA BOCA, LINGUA E BRAÇO…
      DÁ MUITO DESESPERO NÃO É?

  12. Nah comentou

    É normal a enxaqueca durar mais que 3 dias?
    A minha as vezes dura quase uma semana, com enjoos, tonturas,muita dor de cabeça!
    E a minha pálpebra fica inchada sempre!

  13. shayana comentou

    Olá, tive enxaqueca oftalmoplégica e o diagnóstico dos médicos demorou bastante para acontecer. Fiquei desesperada ao acordar VESGA, estrábica. Meu olho esquerdo paralisou. Fui no oftalmologista que me mandou ir ao neurologista e o neurologista, de início, me passou exame de ressonância, tomografia, exame da lícuor e angioressonância. NADA APONTAVA. (ou ele não soube ler direito os exames?) Um outro neuro me mandou tomar corticóide, sem dizer ao certo o que era a causa do meu estrabismo. E eu tomei, fui tomando. Mas pesquisando na internet as causas súbitas de estrabismo, perguntei a meu médico, que tem doutorado em Harvard, se poderia ser a tal da “enxaqueca oftalmoplégica”. Ele disse que não, pois a enxaqueca viria depois da oftalmoplagia, e que no meu caso veio antes, 3 dias antes, e foi embora. E ainda mandou eu fazer mais exames, inclusive uma arteriografia (que é um exame de cateterismo, – 10 MIL REAIS, o plano pagou), dps me mandou fazer exame de trombose, que é um exame de sangue caríssimo para verificar se eu havia tido trombose no cérebro e já havia passado. NADA APONTAVA. Daí, reparei que mesmo sem diagnóstico médico, o corticóide estava fazendo meu olho voltar ao normal, se movimentar. O diagnóstico DE VERDADE veio depois de 2 meses e meio, quando meu olho já estava bem recuperado. Em 3 meses de corticóide fiquei com olho curado, e, remontando aos fatos, aconteceu o seguinte: tomei um anticoncepcional, que me provocou uma alergia, que gerou uma enxaqueca, que provocou uma paralisia no nervo 4, 6 ou 7 (sei lá) do crânio, responsável pela musculatura dos olhos. Foi um desespeeeeeero pra mim. O médico que no início me passou o corticóide, e acho que mal sabia ao certo do que se tratava, me falou apenas isso: “deve ser uma espécie de inflamação que vc tá no cérebro, tome o remédio e esqueça isso”, acho que ele acertou, em partes. O médico que quiser, posso mandar os vídeos da paralisia dos meus olhos e a evolução, toda semana eu fazia um vídeo. Nunca mais tomei anticoncepcional e nunca mais tive enxaqueca. 26 anos

  14. comentou

    Tive enxaqueca a partir dos 13 anos, com aura, brilho e perda parcial da visão, partes das coisas que eu olhava desapareciam, era o primeiro sinal. Depois vinha a dor, vômitos , muito mal estar e às vezes adormecimento da língua. No mesmo dia melhorava, e no dia seguinte havia a dor residual. Anos depois descobri o remédio ormigrein que me ajudou muito. Com o tempo ela foi embora depois da menopausa. Hoje em dia ñ tenho mais. Minha mãe teve enxaqueca e minha irmã mais velha também. Só nós na família. Era um susto quando apareciam os sinais que antecediam. Eu evitava alguns alimentos, acho tb que tinha a ver com hormônios.

  15. Elton comentou

    Parabéns pelo Artigo, foi bastante esclarecedor, ainda bem que não estou com algo tão grave. Mas pretendo ir procurar um médico para tomar as providências corretas.

  16. Cintia Maria Ravagnani Neves Tasso comentou

    Eu sempre digo que a única “inveja” que tenho na vida é das pessoas que não sofrem com enxaqueca. Horas antes das crises,perco minha acuidade visual,não consigo focalizar objetos com clareza,mesmo com óculos de grau.Esta dificuldade visual permanece durante a crise e por horas depois que passou.A aversão a claridade também permanece por um bom tempo mesmo após a remissão da crise.Os olhos também ficam inchados,todas as pessoas que convivem comigo conhecem a minha “cara de enxaqueca”.

  17. lilian fernandes comentou

    Desde de nove anos de idade sofro de enxaqueca. Como a doença não pode ser vista muitas vezes vc não é compreendida até pelos seus. O pior que me acontece é o sintoma de aura, pensava que ia ficar cega.hoje, o que mais me incomoda e me faz sofrer com a crise é o cheiro.

  18. Janaina Fragoso comentou

    Olá, Dr Feldman!
    Sofro de enxaqueca desde que sou criança, tenho hoje 41 anos e de vez em quando ainda tenho crises forte, embora hoje em dia estejam mais controladas. Faço uso do medicamento Topiramato de 100mg, toda noite, há 1 ano. Comecei com 50 mg.
    Há 15 dias que tenho tido um problema nos olhos, que já tive no ano passado, mas q nunca havia tido antes. Já tive crises com aura, mas do jeito como veio agora, nunca. Meus olhos meio que “travam”. Não consigo focalizar e pra voltar ao normal preciso piscar diversas vezes. É horrível.
    Isso aconteceu depois de uma crise de enxaqueca branda que tive e ainda não passou. As odres de cabeça não estão fortes e nem são diárias, aparecem mais ao final da semana, de cansaço mesmo, mas essas “travadas” dos olhos estão diárias… estou preocupada!
    E também não sei se pode ter a ver com a enxaqueca ou não.
    Gostaria de uma opinião sua.
    Obrigada!
    Janaina Fragoso.

  19. Patricia lorenzetti comentou

    Tive aura visual e assim que ela acabou , minha visão ficou com algumas falhas ( olhando normalmente ) ..estou assim desde novembro..pq isso pode ter acontecido?

  20. joaquim eusebio barbosa guimaraes comentou

    eu tenho essa dor atras dos olhos quando eu
    como alguma coisa que tenha açucar

Trackbacks

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>